J

J_Leyva

Em que anotação ficou perdida a minha face? Alguém acostumada a perder textos, seja por desorganização, seja intencionalmente, rsrs.

Confessionário

Quero um confessionário Escondido e confortável Com almofadas para os joelhos Numa penumbra âmbar Que seja quentinho No qual eu possa desmanchar Quero um confessionário A abafar o som dos soluços Com braços a embalar Que não me julgue Não anote, tampouco cobre Que me deixe estourar Quero um confessionário... Por que tanto o quero, afinal? O acolhimento silencioso... Por medo de amigos, do alvoroço Por receio de transbordar ...
Read post

Que vença o melhor (sic)

A vida é um jogo de xadrez Que tem regras básicas De fácil acesso ao público geral Mas há movimentos especiais Conhecidos pelas que dedicam seu tempo à dança das peças Que querem dominar a arte Que ensaiam, treinam ou têm alguém que o faça por elas Que almejam extrair o possível e o impossível das jogadas A vida é um jogo de xadrez... Mas um careca lançador de foguetes sentado a observar pode engolir, de uma só vez, todo o tabuleiro. ...
Read post

Cicatrizes

As cicatrizes me formam A do acidente A da cirurgia A do tombo de bicicleta A da agressão A do fogo A da queda A do parto A da expansão A do medo A da solidão Até a do dentista Tão escondida Mas sentida na boca Igualmente me compõe São todos rastros Visíveis e invisíveis Da minha imensidão ...
Read post

É nosso

Há sangue e suor Com volume e constância Todavia, não há fruto Carregado à distância Nas mãos de revelo rochoso Nos olhos vestidos de insônia No vencido e tortuoso dorso Na subserviência da sobrevivência A riqueza coletiva é sem igual Tanto valor que transborda Disfarçado em cifras e notas Chamado, em duplipensar, de REAL Vale mais uma refeição cheirosa Vale mais um colo quente Vale mais uma sombra frondosa Vale mais uma cama decente Vale mais teu sonho com o meu Valem mais os nossos ...
Read post

Vem cá

No fluxo de águas Onde há abundância O formalismo falece A mensagem colorida Vai despindo-se Revelando seu conjunto De renda fina Vem cá É tudo que basta Sem resposta ...
Read post

Braçadas

Quando vale nadar O caminho inteiro Até um abraço? No balanço das ondas As braçadas são livres Apesar do repuxo Nada-se sozinha Agarrar-se a alguém Que se debate Termina em asfixia ...
Read post

Desmoronamento & Ansiedade

Não foi a Defesa Civil Mas o meu coração Que passou para avisar Que esta estrutura Possui risco de desabar Antes do desmoronamento Quero retirar minhas lembranças Ao menos as mais queridas Os documentos? Esses não Não há tempo a contabilizar A parte mais complicada É a comunicação dos moradores Reticentes em deixar o lar Ou, pior ainda, Podem decidir derrubar algum pilar Confirmando, da engenharia, os temores Já estou pronta Para o detonador ativar ...
Read post

Te extraño

As peças soltas Na palavra cordial São uma piscina turva Com tantas mesclas Minha entranha indica O que a tua palavra nega Te estranho e Te extraño ...
Read post

Repertório para se esconder e chorar

No chuveiro No mar Na pia No escritório Na bicicleta No lavabo No travesseiro No livro No seriado Na corrida Na tosse No jogo Na igreja No cinema Opções não faltam Para os motivos das lágrimas ocultar E para a verdade? Há repertório também? ...
Read post

Cumplicidade

Asfalto e concreto descansam Sem o burburinho dos trabalhadores Tão aglomerados nas pedras Mas já tão distantes Um centro que morre sem gente Repleto de zumbis existenciais De duas espécies, contudo. A escuridão me envolve. O ser da boca cobiçosa e podre chegou perto demais. Na calçada vazia, Aperto o passo Enquanto a voz se afasta A gargalhar Virando a esquina Há livre ponto a embarcar O coração respira Mas são apenas minutos. Até outro zumbi nojento Achar que pode ameaçar No convite pe...
Read post

Siga (ou não) as placas

As labaredas se aproximam O calor a fumaça se misturam Cores intensas e dançantes Que querem, no mínimo, chamuscar O som da sirene acusa Que já passa da hora de fugir Não há ninguém a me guiar? Grita ao vazio Enquanto as chamas riem sem pausa A cabeça vai ao chão Para respirar melhor Com as ideias mais livres Surge a solução: São as placas de saída! Em meio ao caos As setas guiam O avançar é lento Mas constante Agora é só seguir em frente! O excesso de vapores Inebria, confunde e aquece por ...
Read post

Tus e Vocês

Tu não sabes Falar de terceiros Mas teces comentários de segunda Já você prefere Outros verbos Que são seus, mais do que nossos A alegria pura Está na mistura No deslizar das palavras Que mudam o curso da língua E das pessoas Seja contigo Seja consigo Eu consigo misturar E também esquecer ...
Read post

Um poema sobre o clima

Um poema sobre o clima Que busca lugares comuns Preenche elevadores E evita análise de qualquer um Como chove nessa estação! Disse o primeiro, com nublado coração. Pegue o casaco, por favor! Lembrou o segundo; Pois cuidado também é amor. Que calor nessa cidade! Devolveu, com olhos aflitos, Na esperança da verdade. -Te trouxe um guarda-chuva. Falou o outro, em fingido descaso, num carinho de leve, de luva. Agora, esse frio está de matar! Reclamou, aninhando-se: Queria mesmo era se esquentar...
Read post

Desmemórias

Se já se escreveu Sobre amar o perdido Ainda resta confusão? Não há memórias Só fragmentos de histórias Escritas a quatro mãos As coisas não tocadas Certas vezes imaginadas Essas perecerão . . *Baseado no poema Memórias, de Carlos Drummond de Andrade. ...
Read post

Heterocromia

As manchinhas Cada ranhura Os tons de castanho Que se misturam ao verde As lágrimas que mudam a cor Olho nos teus olhos Pra não te esquecer ...
Read post

A esfinge sumiu

O preço do indecifrável Não vem na mordida Mas na falta dela. ...
Read post

Não há resposta

Se a resposta é amor: lamento. Ela vem incompleta Embora não exista solução sem falta novo sem medo crescer sem romper a casca Há pão e tempo: Presente Passado Futuro Não é o dia Tampouco a noite É no alvorecer Ou no crepúsculo Que se vislumbra possibilidade ...
Read post

Severinices

Para a obra do Ian honrar que entregou tanta brasilidade de um jeito torto, vou tentar contar da minha saudade do Dendê daquele olhar! Toda música, um deleite Evocando muita lembrança Reconheci muito enfeite Da Paladina, do Xique-Xique e da festança Pois que venha mais azeite! Nos livros da Antonieta Eu gostaria de ir morar Seja carmesim ou preta Foi uma prazer identificar Cada referência porreta! Nas fitinhas do Bonfim Teve de tudo, até amarelo Capivara tivemos sim Tão humana e tão caram...
Read post

A vida mentirosa dos adultos

Crescemos! Aí, a vida mentirosa dos adultos vem nos visitar às vezes com um novo sobrenome Então, a amiga genial de repente transmuta-se na filha perdida Talvez seja por ter batido naquela porta um amor incômodo de complexa artesania Nessa ladainha há quem foge e também quem fica Contudo, todos os caminhos Os livros, os manifestos e as poesias terminam, sempre, na mesma romaria *Uma homenagem à obra de Elena Ferrante. ...
Read post

A escorrer

O movimento acusa... Pelas tuas mãos, o que escorre? Poderia ser o meu cabelo Colorido ou não Ao teu a misturar-se Poderia ser o mar Tão bem temperado A refrescar e a invadir Poderia ser a grama Repleta de vida A fazer cócegas Poderia ser a expectativa Poderia ser o vento Poderia ser o tempo Mas não interessa Afinal Definir o que era Quando já escorreu ...
Read post

Muito brega

Somos ondas Esperando o rebentar Seria muito brega Sendo parte do mar Rimar-te com amar? ...
Read post

Ser ou Não Ser Praia

Compartilhou seu mar Outrora tão reservado Transformado em coletivo Pelos novos olhos lá Descobre, porém Que a sua orla Pouco convém Aprenderá a se amar E a não ser (ou ser) A praia de alguém ...
Read post

Rubi I

Aquele pai o pra sempre novo mandou-a mastigar Com voracidade, vamos! Absorver a vida como uma refeição que até possui vários pratos Contudo, o restaurante de decoração caótica vai logo fechar a cozinha Os caninos mordazes Perfuraram a carne Sentindo o calor Que escorria Pela grande boca E por suas beiradas Pedaços rasgados Com sabores de pecado Que alimentaram Apesar de machucar A salivar, surpreendida A morte encontrou a língua Extasiada pelo real Seu apetite, assim, nasceu És tu, ó, ca...
Read post

Calos

Eu me calo E me amarro Esperando que o calo Desapareça Mas tudo que calo Transborda Causa mais calos! Seguindo a Kahlo Não me demorarei ...
Read post

A cortina vai fechar

O roteiro chegou pronto Nos ensaios, levíssimas adaptações, ainda dentro de cada papel. Um espetáculo aos transeuntes Fiscais do certo Dos limites marcados no palco Que esquecem de aplaudir ao final. O que acontece quando a cortina fecha? ...
Read post

Monolito

Vento, suor e sal Temperam vistosa rocha Permanentemente exposta Ao lado do manancial Cósmica, pra sempre, rígida! Pedra das ideias certeiras Queria resistir ao tempo Sem baixar a muralha erigida Mineral condensado De pouca sabedoria Queria ser duro Mas o sabor o amolecia Aquele Monolito Tão estável Tão antigo Esvaiu-se, um dia, em líquido Ah, a beleza do mutável Que de eterno tem o balanço Em seu caráter fluido ...
Read post

Chapação

Aguardado e viciante Inunda peito, pulmões e boca Traz brilho Muita cor Explosões alegres E também vigor Era festa Era chegada Colisões despreocupadas A chapação muda - Alertou a dissidente, Relegada em seu terror Quando o bebia Eram sorrisos e partilha Até que a taça de mãos mudou Na boca de outrem O líquido, já ingerido, azedou E aquele furor outrora ansiado Agora sobe o esôfago Expulsando o que restou ...
Read post

Me dê absolvição

Meus crimes Quase todos eles Foram imaginados por um criativo conservador Que fez morada no meu peito O morador acusou Eu dei minha sentença E já me dirigia às grades Por sorte do destino Surgiu sensata advogada A qual decidiu em meu ouvido soprar Que antes de aceitar a condenação Eu poderia tentar falar Recorri ressignificando Tateando se o criativo acusador Entendia mais de mim Do que eu mesma Parei de aceitá-lo Vem, escuta aqui As algemas se abrindo! ...
Read post

Perto e Longe

Perto Longe Protege Corrompe Cabeça baixa Olhos escondidos Tremores contidos Perto Longe Arrepio Desmonte Cabeça erguida Olhos fechados Fuga tramada Perto Longe Sede Afronte Respiros cortados Janelas abertas Revolução! Nem perto Nem longe É troca! De horizonte ...
Read post

Artesania

O novelo pesa Mas a artesania Transforma aqueles nós Em belas poesias ...
Read post